15.8.16

Maturação

15.8.16
Vou na minha brevidade de sempre, sem tempo, sem hora. E volto, mais prenha daquilo que me permitiu ao leve. É que as minhas eternidades só são leves assim: por serem breves. Por ser assim que me melhoro e que também, desprendida dos dias, me (pro)curo. Minhas ídas são vastas. Ídas vastas eu batizo com o nome de voo. Há de se ir e ficar, sem pertencer. Não se morre em tons de azul. No azul, só me resta o contemplo daquilo que também, pouco se move. De azul é que se veste o templo dos tempos que ainda verei florir. Não há demora vã alguma nisso.
~beijo n'alma~
│Samara Bassi│


© 2016. É expressamente proibida a cópia parcial e/ou total não autorizada de qualquer conteúdo deste blog.


não copie sem autorização, mesmo dando os devidos créditos.
SEJA EDUCADO (A).  SOLICITE AUTORIZAÇÃO.

Nenhum comentário:

Copyright - Quintal de Om © 2012 - 2017. All Rights Reserved to Samara Bassi.