11.12.15

Ex(plí)cito

11.12.15
google
Seremos, 

faremos o ventre atropelar estrelas
e todo o resto dissipar por entre
as curvas desse olhar travesso,
desse jeito festeiro 
de me desarrumar 

[por dentro]

Por fora,
essa boca desnuda de todo o pudor,
de cor e suor,
desse verbo delirante,
aconchegante por entre os meios,
por entre os seios
esse ser teu centro,
ser teu dentro
e me (derr)amar a pele,
vertendo em rios todo o meu suor.

Entre!

Nessa lasciva boca me provando o sal,
esse não querer o mal
por entre os dedos
que nos transmitem (e)terno,
esse belo e
enlouquecido tom.

Sussurros em falsetes
decorrentes,
recorrentes,
sementes
de todo verbo
mal desavisado:
não se desmisture de mim
as tuas águas todas
e dos meus leitos
seja a chave que meu peito esconde
e me inunde de ti,
daquele jeito teu
em mim.

E perto,
sorrir tão certo
quanto
descoberto (v)ir.

Descubra-me na nossa perdição!

Cubra-me!
nesse teu inverno incandescente,
dessa querência destilada
toda a nossa essência indecente
de me verter água de cheiro
no teu se derramar inteiro

[do começo ao fim].

│Samara Bassi│
*interação ao poema de Marcio Rutes, aqui.


© 2015. É expressamente proibida a cópia parcial e/ou total não autorizada de qualquer conteúdo deste blog.

Nenhum comentário:

Copyright - Quintal de Om © 2012 - 2017. All Rights Reserved to Samara Bassi.