3.12.14

O substrato do abstrato

3.12.14
tumblr
Sob meus pés, caminhos passados como bilhetes e portas trancadas às minhas vistas. Deixo um bom dia para esbarrar nas nuvens, o meu pedaço de céu.
Quem não tem seus lugares guardados, sem desaguar marés?
Há uma fresta para cada olhar ver apenas o que lhe convier.
Sobre a cabeça, apenas o prãna que paira lonjuras vitais e me sopra, além de todas as rosas dos ventos.

Separo do vento, a chuva azulada de outros quintais que se juntaram ao meu e deixo, sem espantar as libélulas, decantar as portas arranhadas e vertidas d'água até a última gota do seu interior maciço de dores e encupinzado de maus tratos. Há rios que correm pelas fechaduras e não me alagam.

Viver é abstrato e a única verdade palpável é a sua também abstratividade cometida, sem justificações. E pode ser qualquer coisa. Pode ser uma tranca, uma passagem, um coração pendurado nos cílios do que quiser ver.

A sua porta pode estar em qualquer lugar e ser à base de qualquer matéria. Nenhum abstrato alheio me subtrai. Cada um se faz substrato da sua melhor forma de ver e ser. 

Eu então, prefiro ser esse esbarrão no azul das etereacidades dormentes. A lucidez não me mantem acordada. 

│Samara Bassi│

© 2014. É expressamente proibida a cópia parcial e/ou total não autorizada pela autora de qualquer conteúdo deste blog, ainda que devidamente creditado. Bem como qualquer outro tipo de uso indevido da obra. Tenha consciência, respeito e vergonha na cara: entre em contato e peça autorização!  

Um comentário:

Crônicas de Areia disse...

Quem sabe os cogumelos sejam elos etéreos entre a realidade e a para-substancialidade da mente humana?

Quem sabe um mero pó de tempo, um elemento tão comum nos "pirlimpimpins" do imaginários de tantos de nós, tenha brotado justamente no anseio demente de uma mente crente de que um mero pente de um único dente pudesse, vê se pode, contar todo um universo mágico para uma criança e ela não se torna-se, com isso, uma sonhadora?

Quem sabe as cotovias sejam esganiçadas justamente porque são tão maiores e mais poderosas do que um canário mas, com tudo isso, não cantam tão belamente?

Subalternos são, por certo, todos os elos da matéria, que em conspiração com o universo, regem a crença tosca de que aqui é mera passagem.

Não. Aqui chegaste, aqui permanecerás, brotando e rebrotando, alimentando aquele de quem você próprio se alimenta.. E se do pó você veio, saiba que amanhã poderá tornar-se água, então não limite teu estado mais louco, pois assim, estará, unicamente, imitando teu vizinho insosso e suas crenças pífias de que pagãos são aqueles que em nenhum deus acreditam. Deus não precisa ser milagroso nem alguém barbudo e carrancudo. Ele só precisa ser energia para em você circular.

Estranho, não é? No fim, aquele que você julga um descrente, crê mais do que você.

Explica ao teu vizinho que a chuva que cai no quintal dele é a mesma que cai no teu quintal, mas as ervas daninhas que ele tanto faz questão de arrancar, dia ou outro podem proteger a terra que secará, caso ele não deixe a terra coberta. São os deuses da vida, tentando ensinar àquele que pouco quer aprender.

E aqui, deixo meu beijo, minha Sam. Minha menina que amo e que tanto me bagunça ou neurônios com esses ensaios fantásticos. Amei, assim como te amooooo, minha linda.

Marcio

Copyright - Quintal de Om © 2012 - 2017. All Rights Reserved to Samara Bassi.