15.8.14

15 de agosto

15.8.14
weheartit




make a wish.

Um comentário:

Crônicas de Areia disse...

Como eu amo te amar. Como eu gosto de saber que, do teu jeito, você sempre (SeMpre) foi uma vitoriosa.
Aliás, menina, você me ensinou que para ser um vitorioso, não é preciso quebrar recordes, ou adquirir bens caríssimos e que poucas pessoas conseguem ter. Também não é necessário cometer absurdos para ir além dos limites. Ser vitorioso é seguir seu destino e ganhar dele, indo além daquilo que a vida te reservava.
E como fazer isso? Simples. Basta sonhar e fazer o possível para realizar esses sonhos. E um sonho não precisa ser absurdo. Você pode querer ter um carrão caríssimo ou, meramente, uma bicicleta com dois lugares, para compartilhar com alguém especial. Um sonho pode mirar uma mansão num lago paradisíaco, ou uma cabana aconchegante num riozinho de uma chácara qualquer, e assim, se aquentar num fogão a lenha com o seu amor ao lado, comendo pinhão na assado na chapa enquanto o frio bate lá fora.
Um sonho pode te levar aos sets de filmagens de um filme de amor e ganhador do Oscar, onde você seria o ator ou atriz principal, ou então você pode sonhar com um amor verdadeiro, com beijos que te façam sonhar ainda mais e, o melhor, com gosto de beijo de verdade.

E assim, eu vi que já era um vitorioso, mesmo antes de sonhar em ser um. Eu notei isso quando, num, certo dia, te vi desembarcando do metrô e vindo para perto de mim, com um dedinho em riste e apontando para meu peito. Ou melhor, eu me vi vitorioso no primeiro instante que notei ter causado um sorriso nessa tua boca linda, e isso foi muito, mas muito antes de nos conhecermos ou, até mesmo, muito antes de sequer cogitarmos um namoro entre nós.

Te vi e te sei vitoriosa. SeMpre. Então, deixe-se ir.

Deixar-se ir,
infinitar-se nesse pequeno vão entre as bocas,
e perder-se pelas beiradas da inspiração.
Perceber-se a cura de qualquer insônia
e alimentar-se do que nos resta sóbrios.
Permitir-se insano enquanto vivo.
O óbvio não nos sustenta
enquanto pairamos num voo sem asas.
O mundo é assim,
tão desmedido para quem sopra feridas rasas.
Para nós, o mundo é um sonho inacabado
onde cada ferimento é apenas mais um acento
numa palavra aguda que marca a ferro quente uma cicatriz.
Sóis são apenas sais amargos,
irrigados com um flamejante magnésio imaginário.
Somos nós que atiçamos nossa fogueira,
e desprezamos bandeiras,
pois nossas crenças são muito maiores
do que meras quimeras inatas do imaginário tão humano.
E assim, sobre-humano,
faço meu templo num peito de boneca de pano.
Te amo assim, sem precisar de porcelanas para enfeitar meus dias.
Te amo simples assim, pelo simples gosto de amar te amar, Samara Bassi.


Marcio

Copyright - Quintal de Om © 2012 - 2017. All Rights Reserved to Samara Bassi.