18.6.14

O coração da ostra

18.6.14
weheartit
Escuta. O coração da ostra, o mar dentro da concha. Escuta o que te digo. E entenda. Procure entender. A vida pode caber num pedaço lascado de pedra e contar histórias que nunca soubemos nem nunca ensinamos. Pode sim. O mundo tem lados que nem sequer pretendemos olhar. Alguns detalhes que deixamos passar, umas pequenezas que gritam e nós... absortos numa cratera sem janelas abertas, ensurdecemos.  O engraçado é que só temos olhos sensíveis para o que é grande e se faz visto, mesmo sem ser notado. E nem toda beleza está nas pérolas, viu?!. Não guarde o seu coração numa ostra, mas saiba ouvir o coração de uma. É que (ab)surdos também sabem cantar suas histórias, ainda que a  música não seja a do mar. É, eu também venho aprendendo sobre outras histórias. E reaprendendo sobre as minhas, também.

│Samara Bassi│



© 2014. É expressamente proibida a reprodução parcial e/ou total de qualquer conteúdo deste blog sem a autorização do autor. A cópia não autorizada e/ou qualquer outro tipo de uso indevido da obra, implicarão em penalidades previstas na Lei: 9.610/98. Não viole. Conscientize-se e passe esse respeito adiante -

Um comentário:

Crônicas de Areia disse...

É tão longe para chegar até lá. Tem as montanhas, e depois um desfiladeiro, a mata e o rio. E até parecia que o céu encostava no chão. Será que o céu ia até aquele fim de mundo para colher estrelas em algum quintal?

E do outro lado? Ah! Era diferente. Muito mais plano, com estradas, mas eram tão empoeiradas. Dalí do alto daquela casa na árvore, ela enxergava as luzes dos faróis dos automóveis, e não gostava nadinha daquele barulho todo que eles faziam. Mas a visão distante das luzes da cidade deixavam a menina encantada. Era como se a luz brotasse dali, e fosse catapultada a cada noite para clarear o piado das corujas.

Ainda tinha aquele lado lá da grande curva do rio. E como era belo ver a água correndo, indo certinha na direção das montanhas. A menina só ficava indignada por não conseguir ir até aquele horizonte do olhar e, cáspita, descobrir como a água do rio passava pelos grandes morros. Será que ela escalava aquelas montanhas por algum outro lado que ela não conseguia ver?

E no sentido oposto, aquela vasta plantação de lavanda. Era tão linda, que hipnotizava. Lá sim, a menina conhecia bem. Foi até o final da plantação. Mas, espera um pouco. Depois da plantação tinha mais coisa. E mais depois desse mais, e ainda mais depois desse ainda mais. Mas, que coisa! O mundo era tão grande assim?

―O mundo cabe dentro dos olhos, papai?

―Não, minha querida! O mundo é muito grande para caber dentro dos olhos. Mas ele cabe justinho dentro de um olhar curioso.



E teu olhar é assim, Sam. Curioso e lindo. Amo teu olhar, o jeito como você é curiosamente antenada, e principalmente como você se relaciona com essa mãe maravilhosa, chamada NATUREZA.

Amo você todinha, e saiba, você cabe inteirinha não apenas dentro do meu olhar, mas dentro do meu peito também.

Show de composição, menina.

Marcio.

Copyright - Quintal de Om © 2012 - 2017. All Rights Reserved to Samara Bassi.