23.5.14

A intenção etérea da palavra

23.5.14
weheartit
Não escrevo para os que têm olhos, nem para ser lida. Não é essa a intenção.
A minha palavra, embora habite um corpo e ganhe forma, ela antes de tudo tem é coração. Crio-a ao mesmo tempo em que me despeço dela. 
E se por uma desintenção qualquer ela tenha ido por um atalho a ponto de ter sido lida, vista, decifrada... desculpo-me, então.
É que a intenção da minha palavra também não é para os que têm asas nem para os que não as têm. É para os que voam.
Para os que voam: é pra vocês que a minha palavra pretende.

│Samara Bassi│

© 2015. É expressamente proibida a cópia parcial e/ou total não autorizada de qualquer conteúdo deste blog.

não copie sem autorização, mesmo dando os devidos créditos.
SEJA EDUCADO (A).  SOLICITE AUTORIZAÇÃO.

3 comentários:

Antonio Reis disse...

Para os que voam.
Que belo voo Samara, destes que invejam o personagem de Exupéry.
Parabéns menina você continua em pleno plano de voo de nossa bela literatura.
Carinhoso abraço e saudade daqui, estou buscando administrar tempo para os belos amigos como vocês.

Crônicas de Areia disse...

Ceda à sede de palavras, e embale-a em seda ou, até mesmo, em papel machê. Envolva sementes de letras nas trincas das ruas, nuas e anuviadas, simulando selvas de pedras em cerdas de escovas de cabelo. Zelo e esmero de pelos macios em pele arrepiada.

Transfigure o corpo nú de cada frase para a crase que existe em cada asa. E com ferro em brasa, marque teu nome em cada em preto e branco no colorido íntimo da ladeira de um dicionário de páginas em branco. Escreva-o. E se não for possível florestar esse teu tão particular rutilar, invente-o.

Germine crônicas brancas no breu do marasmo, e entorne um caldo grosso nos desatinos desses poemas já cansados.

É de conto que se perpetua cada ponto, e até mesmo aquele que é final, sempre guarda mais dois pontos de reserva, pois quando menos esperamos, ele se torna uma sagrada e frutificante reticência.

Existe voo no vão, e até asas em um cão. Existe paródia do destino na fábula do vestido da menina, assim como um imã na sina da laranjeira. Fruto de beira, uma rede no fim da ladeira. E é de lá, pra lá da goiabeira, que alçamos os céus e sóis, que sem anzóis, nos pescam mesmo é com seu atrativo quebra-queixo de dízimas alfabéticas.


Não me atrevo a classificar o que lí em tuas linhas. Mas garanto, é lindo e me comoveu.
E nem preciso dizer o quanto te amo, minha linda e tão preciosa garota travessa. Show, Sam.

Marcio

Marcela Oliveira disse...

Palavras suas que encantam um coração, e preenchem uma alma por hora vazia.
Suas palavras tem um dom, tem o poder de preencher de emoção, nos abraça com verdades e nos encantam com as fantasias.
Suas palavras alcançam o inalcançável e fazem um milagre em um coração desacreditado.
Palavras que comovem e atraem diversos sentimentos para dentro de nós.
Simplesmente LINDOOOO.

Marcela

Copyright - Quintal de Om © 2012 - 2017. All Rights Reserved to Samara Bassi.