12.1.14

A água é azul e tem cheiro de vanilla

12.1.14
Mundo Psicodélico
A (tua) essência é verde e tem cheiro de baunilha. 
E há uma ponte lilás entre o teu peito e o meu.
A água é azul e tem cheiro de Vanilla. 
A cor do cheiro é amarela. 
Amar ela é amarelo.
Elo
é
mar
e
mar
é 
maré.
Amar é desaguar no belo
elo 
é 
um (amar)elo azul,
entre o meu 
peito 
teu.

│Samara Bassi│
════════════════════════════════════ § ════════════════════════════════════ 
É expressamente proibida a reprodução parcial e/ou total de qualquer conteúdo deste blog sem a autorização do autor. A cópia não autorizada e qualquer outro tipo de uso indevido da obra implicarão em penalidades previstas na Lei 9.610/98 e serão denunciados. Respeite.

2 comentários:

Crônicas de Areia disse...

Quando o real se mistura com o sonho,
quando o peito aquece outro peito,
quando o tempo corre pra trás,
ou os sonhos e as cores têm cheiro,
é porque um mundo novo se criou.

Criamos o nosso, não é?
Criamos um mundo onde nós pintamos as paredes e, mundo mais do que plantar um quintal, nós idealizamos as próprias plantas.
Acreditamos tanto nesse mundo, mágico e inimaginável para os demais, que ele se mistura com nossa própria essência.

Fomos além do simples amar. Talvez o fato de buscar a compreensão um do outro nos deu esse pó mágico, que quando espalhado em nós, reveste a aura não apenas de cor, mas de cheiro, de aroma, de perfume. E descobrimos que sabemos prestar atenção um no outro. Você sonha, eu te escuto, a gente se ama. E assim, transpassamos a barreira invisível que carrega nossas vontades e desejos.

Você dorme em meus braços mesmo na distância. Fala comigo até quando seus olhos e boca estão passeando por cores e odores bem longe daqui. Aqui, alí, acolá, que importa? É no meu peito que tua face encontra travesseiro de cheiro de lavanda, e agora de baunilha também.

E cá entre nós, não é qualquer ser vivente que escuta a mulher amada dizer “eu te amo” até quando ela dorme, não é?

Que lindo, Sam. E eu fiz parte muito presente desse teu lindo sonho.
Mas alguém resolveu não dar o ar da graça dessa vez. rsrs. Foi colher amoras. E veja só! Até em sonho a danadinha já tem personalidade e vontade própria. Uma Samara em miniatura? Clarinha?


Marcio

Bessa disse...

Cores, aromas e amores coram e amoram-se neste teu tão simpático poema, minha amiga Samara.

Vertem-se em versos verticais para, no final da vertente, fundirem-se num sentimento único entre dois universos paralelos que se interceptam no plano dourado-azul-violáceo da paixão. Que belo!

Texto bem ao teu estilo, querida amiga: luminoso, colorido, perfumado e amoroso.

Um grande abraço com carinho.

André

Copyright - Quintal de Om © 2012 - 2017. All Rights Reserved to Samara Bassi.