8.12.12

Alegrias de quintal

8.12.12
Este foi um dos presentes mais bonitos que lhe ofertaram. Com um talento e sensibilidade aflorados, seu amigo criou este escrito a partir de uma conversa descontraída, amiga e carinhosa que tiveram há algum tempo. Deu nisso!

Imagem: Heidi Benser
[Ele] Roubei palavras que ela joga ao vento por aí e acrescentei vírgulas, e algumas palavras e parágrafos e espaços para respirar e formei um texto:

[Ela] Por preguiça, desinteresse, desânimo e impaciência, abandonei um pouco a net, os blogs, as visitas, os comentários, estou vivendo a vida mesmo, tentando sentir coisas diferentes, abraços, por exemplo, poderíamos fazer assim:
Abra bem os braços pro coração entrar no laço,
aperte bem apertado e balance os braços com os pés parados,
depois sacuda o nosso abraço pro carinho voar pro espaço
e fazer estrela na minha janela.
Na minha janela estrela é o abraço.

Falo de sementes, de palavras…

Palavras são sementes, que quando enviadas pelo ar, com o vento
fazem germinar, dar flores, perfume e frutos bons,
quando semeadas em solo fértil,
é o carinho,
a amizade
a sintonia
isso é bom e faz bem às pessoas, às almas.
As almas fertilizam os sorrisos.

Parece, assim, tão simples?

Mas é simples, ora!
Nós é que complicamos o que é simples, mesmo sem querer.
A simplicidade e a beleza estão em toda parte, são detalhes miúdos, mas constantes
e como digo sempre:
só nos resta ter olhos de ver
sentidos pra sentir
perceber e enxergar além
do que os olhos veem e a retina pode gravar.
Para alguns, basta um olho, mas os valorizemos, pois:

“ter dois olhos é luxo”

e enxergar além, a mais… é mais sensibilidade,
sinestesia que eu adoro.
Sentir com os olhos, enxergar com o coração
num mundo onde a maioria não sabe, não conhece, nem imagina
que perfume tem sabor,
que calor tem sabor,
que cor tem textura,
que a beleza é escura e branca quando se escurece por trás dos olhos fechados.

Alguém diria:
tudo tão simples
quando se tem um olhar, assim,
puro
de menina
doce

o tempo trás delicadeza aos olhos.
não tem nada de receita,
de mágico,
de extraordinário,
nem sobrenatural,
nem romântico.
… é assim!
as pessoas é que “fabulam” meu olhar.

O olhar é como uma janela aberta. Se abre pra tudo, depende do que você tem no seu quintal… o bom ou o mal.
Se alguém quisesse
e viesse agora ao meu quintal, nesses tempos, colheria jabuticabas do pé, margaridas do jardim
sementes dos girassóis que já me sorriram muito.

Colocaríamos o doce na janela… pro beija flor e o canarinho
e o pão pro tico tico e pro pardal,
acenderia o meu incenso pro vento levar
e ouviria meus sinos dos ventos espalhados pela casa… pro teu coração escutar… e guardar.
Também veria, mais pela manhã e também pelo resto do dia, a revoada de maritacas tagarelas no telhado-céu do meu lar,
dos queros queros e bentevis,
veria o trem passar por trás de casa.

Colheria as lavandas pra perfumar,
plantaria pra replantar
e uma rede pra descansar.
E se alguém pensasse que isto é o paraíso, diria:
O paraíso não existe… está nos olhos de quem vê, no coração de quem sente.
O paraíso é onde você está,
o lugar mais lindo do mundo pode não ter valor nenhum pra quem não se interessa por ele.

São como tesouros particulares… as pérolas são bonitas, mas prefiro as pedras de quartzo enterradas numa rua de terra que tinha aqui pertinho, mas que depois aterraram e asfaltaram
e os quartzos… ficaram três na minha estante, ali na sala.

João, Pedro, José, Paulo,

você é como um daqueles pássaros que canta bonito por entre as nuvens, por entre as árvores e eu paro o passo e lanço o olhar pra admirar e cantar junto.

A emoção é forte,
é feito rio que segue seu caminho.

Deixa…
Deixa seguir,
deixa o vento soprar,
deixa sorrir,
deixa….

A chuva faz florir e se tiver lágrima… faz sorrir! O rio segue seu caminho, mas seu destino é o mar.
Mar é o imenso de amar e amar é maré… é um mundo de mar, um imenso de amor
então, é bem melhor ser...
mar!!!!!

São braços de mar, sorrio!
Conjunto de rios, sorrio!

Amor é o que se tem de mais bonito seu pra oferecer ao próximo
“é sempre amor, mesmo que mude”
é aquilo que se faz por gostar, sem esperar aplausos
é o que tua mão direita dá, sem a esquerda saber.

Minha amizade mais bonita, meu abraço sincero, meu jardim mais florido, meu caminho de esmero, paz, amor, cumplicidade.

____________________________
Nota: Postagem antiga, re-editada, que levava o nome de "Costurando estrelas".

│ Samara Bassi │

Nenhum comentário:

Copyright - Quintal de Om © 2012 - 2017. All Rights Reserved to Samara Bassi.