7.8.12

Das lavandas contadoras de histórias

7.8.12
Imagem: Samara Bassi
Sou apaixonada pela “aromaterapia”, desde sempre, posso dizer! Mas não me refiro à ela diretamente como ciência, mas um simples interesse meu pelos aromas, cheiros, perfumes e sensações à eles relacionadas... sem querer muitas explicações disso ou daquilo. De forma empírica mesmo. Experimentando, observando...

Tenho lembranças na pírica infância de procurar e prestar atenção ao cheiro das flores e minha avó, sabia como ninguém estimular isso. Me ensinava o nome de flores, plantas, arbustos e quando pequena, ficava a "descascar" a árvore de Eucalipto e sentindo o cheiro da casca, das folhas. Cheiros cítricos, doces, suaves, sutis, picantes, refrescantes...
Tínhamos a "brincadeira" de adivinhar qual era a planta pelo cheiro de sua folha ou flor. Brincadeira de criança resumida em uma explosão de descobertas e formação de uma memória olfativa que acontecia a cada segundo. Pra mim, era uma diversão sem igual.

Acontece que esse hábito me acompanha até hoje. Presto muita atenção aos aromas. Guardo lembranças incríveis, viajo com eles, lembro de pessoas, lembro de lugares, lembro dos momentos exatos e com muitos detalhes (com a música consigo sensações parecidas)...

Ao longo da minha vida fui crescendo, lendo, experimentando, prestando atenção sempre que me deparava com uma essência, o que ela despertava em mim e em pessoas próximas... assim fui aprendendo e descobri a mágica da Lavanda.
Engraçado como ela sempre esteve presente na minha vida... desde aquelas Lavandas para bebês até agradinhos que minha avó fazia e me presenteava como se fossem tesouros. E eram, E são.
Eram arranjos de flores, saches com flores e folhas secas para perfumar gavetas, travesseiros, toalhas, biscoitinhos de lavanda (numa outra ocasião compartilharei a receita rs)

De efeito maravilhosamente calmante, para minha constante inquietude é (ás vezes) um santo remédio.

Tem um perfume que me deixa de mais bom humor, cheirinho de casa limpinha, de colo, de força para mudanças de corpo, de alma... de alguma forma, a lavanda me é um ingrediente a mais na minha ligação, conexão numa sintonia maior com a minha espiritualidade e com a própria essência da natureza e, para mim, a massagem associada ao aroma de Lavanda traz uma sensação de bem estar indescritível...

Sempre senti tudo isso. Sutilmente, espiritualmente, energeticamente... simplesmente! E desde então, começou a minha busca por encontrar a espécie adequada para o meu tipo de solo (sim, porque existem cerca de 200!) e também de encontrar informações sobre o cultivo e o fato é que hoje minha casa está sutilmente perfumada pela lavanda. Principalmente pelas manhãs, ou durante os ventos de chuva que sopram por aqui e que, além de balançarem aqueles "sininhos dos ventos" simpáticos que "balangandeiam", carregam pra dentro de casa o seu aroma acompanhado da calmaria que ela me traz. A energia é outra e a sensação é de uma "claridade" muito boa.

Se você cultiva lavanda, deve estar rindo, provavelmente. Porque a lavanda é uma daquelas plantas generosas com iniciantes — ela mal precisa de cuidados e sobrevive nas mais diversas condições climáticas, desde que apanhe bastante sol e tenha regas escassas. Cresce (e como!) praticamente sozinha. Um presente da natureza.

A lavanda (Lavandula officinalis ou Lavandula augustifolia) vem do verbo latim lavare, que quer dizer lavar. Da mesma família do Alecrim, é nativa do Mediterrâneo e as espécies de melhor qualidade crescem em altitudes entre 700 e 1400 metros, na região da Provence (França).

Enfim, as lavandas são a alegria do meu jardim e das floreiras na varanda do quarto (e que os Girassóis não me escutem, porque planta ciumenta é fogo!rs), suportam o calor, a seca, o frio e até o mau-jeito de jardineiras metidas rs.

É uma planta simpática e de bom trato. Carinhosa, pois perdoa um pouco de negligência e confiável, floresce o ano todo. Logo depois que chove, as flores exalam uma fragância fresca, suave e agradável. As flores, de um azul quase lilás, são discretas, delicadas, refrescantes e suas folhas também são dotadas de um aroma único.
E ainda, derrubando o mito à seu respeito, ela não tem nada de sofisticado. A lavanda é uma planta simples, que vem do campo, da terra e do sol.

Colírio para os olhos e calmaria pros pensamentos.
                                                  │Samara Bassi                                      

Nenhum comentário:

Copyright - Quintal de Om © 2012 - 2017. All Rights Reserved to Samara Bassi.